Estudo questiona a eficácia e os bilhões gastos em Tamiflu

Fabricante do Tamiflu discorda dos resultados da análise Foto: BBCBrasil.com
Fabricante do Tamiflu discorda dos resultados da análise
Foto: BBCBrasil.com

Em 2009, em meio à pandemia de gripe A (chamada inicialmente de gripe suína), vários governos – entre eles o brasileiro – gastaram bilhões de dólares na compra de um remédio que, segundo um novo estudo, não seria mais eficiente do que um analgésico comum.

Segundo uma análise da Cochrane Collaboration, uma rede independente e global de pesquisadores e profissionais de saúde, o medicamento antiviral Tamiflu (oseltamivir) não evita a disseminação da gripe e nem reduz as complicações perigosas da doença, apenas ajuda com os sintomas.

No combate ao vírus H1N1, o medicamento não seria mais eficaz do que um paracetamol, analgésico popular usado em vários países.

A Roche, fabricante do Tamiflu, e outros especialistas afirmam, entretanto, que a análise do Cochrane Collaboration apresenta falhas.

O medicamento foi receitado em larga escala durante a epidemia de gripe suína em 2009 em vários países do mundo.

Na Grã-Bretanha, o Tamiflu começou a ser estocado em 2006, quando algumas agências de saúde previam que uma pandemia de gripe que poderia matar até 750 mil pessoas na Grã-Bretanha. O governo britânico gastou 473 milhões de libras (quase R$ 2 bilhões) na compra do medicamento.

No Brasil, o Ministério da Saúde gastou R$ 400 milhões comprando uma quantia de Tamiflu suficiente para 14,5 milhões de pessoas. Segundo o ministério, foram adotados critérios técnicos “que levaram em conta a previsão de 10% da população brasileira”, e o Tamiflu era o tratamento recomendado “para casos graves e pessoas com fatores de risco”.

Dados
Companhias farmacêuticas não publicam todos os dados de suas pesquisas. O relatório do Cochrane resultou de um grande esforço para conseguir a liberação de dados que não tinham sido divulgados a respeito da eficácia e dos efeitos colaterais do Tamiflu.

Segundo o documento, o medicamento reduziu a persistência dos sintomas de gripe de sete dias para 6,3 dias em adultos, e para 5,8 dias em crianças. Mas, os autores do relatório dizem que remédios como o paracetamol poderiam ter um efeito semelhante.

O grupo Cochrane questiona também as alegações de que o Tamiflu evitava complicações como o possível desenvolvimento da pneumonia, dizendo que os testes foram precários e que não foi possível detectar um “efeito visível” neste sentido.

Outro argumento usado para defender a estocagem do tamiflu foi o de o remédio diminuía a velocidade com que a doença se espalhava, para dar tempo aos cientistas para o desenvolvimento de uma vacina.

Os autores do relatório afirmaram que “este caso simplesmente não foi provado” e que “não há uma forma confiável de estes medicamentos evitarem uma pandemia”.

A análise também afirmou que o Tamiflu tem uma série de efeitos colaterais, incluindo náuseas, dores de cabeça, eventos psiquiátricos, problemas renais e hiperglicemia.

“Acho que o total de 500 milhões de libras (investidas pela Grã-Bretanha) não beneficiou a saúde humana de nenhuma forma e nós podemos ter prejudicado as pessoas”, disse à BBC Carl Heneghan, professor de medicina na Universidade de Oxford e um dos autores do relatório.

“Eu não daria (Tamiflu) para alívio de sintomas, daria paracetamol”, disse à BBC Tom Jefferson, epidemiologista clínico e ex-clínico geral.

Os pesquisadores do grupo Cochrane Collaboration não culparam indivíduos ou organizações em particular e afirmaram que ocorreram falhas em cada passo do processo, desde a fabricação, passando por órgãos reguladores e chegando até o governo.

‘Estatísticas erradas’
A fabricante do remédio, a Roche, e alguns especialistas discordam das conclusões da análise do grupo Cochrane.

A Roche alertou que a análise “pode ter implicações graves para a saúde pública”.

Daniel Thurley, diretor médico da Roche na Grã-Bretanha disse à BBC que os resultados dos testes do medicamento foram divulgados para os órgãos reguladores e lembrou que cem países no mundo todo “aprovaram o Tamiflu para tratamento e prevenção da gripe”.

Thurley disse que o grupo Cochrane usou estatísticas “erradas” que acabaram “subestimando sistematicamente os benefícios” do remédio e usaram métodos “pouco ortodoxos para analisar os efeitos colaterais”.

“Um dos desafios que temos aqui é saber realmente o que eles fizeram”, concluiu.

Wendy Barcley, que pesquisa o vírus da gripe no Imperial College de Londres, disse que reduzir os sintomas em 29 horas seria “muito benéfico”, em particular para crianças.

“Tamiflu funciona tão bem como qualquer remédio que conhecemos ou que esteja sendo usado. Sim, acho que eles deveriam renovar os estoques. O que mais você vai fazer em caso de pandemia? Não teremos uma vacina pelos primeiros seis meses”, disse.

O Departamento de Saúde da Grã-Bretanha afirmou que o país é reconhecido como um dos “mais bem preparados do mundo para uma potencial pandemia de gripe” e “nosso estoque de antivirais é uma parte importante disso”.

“Nós regularmente analisamos todos os dados publicados e vamos analisar o relatório Cochrane em detalhe”, acrescentou.

Já a Organização Mundial de Saúde, que classifica o Tamiflu como medicamento essencial, afirmou que “aprova uma nova e rigorosa análise dos dados disponíveis e aguardamos a análise das descobertas quando elas aparecerem”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s