Curiosidade do Dia

Por que as chamas têm cores diferentes?

As chamas adquirem cores de acordo com a sua temperatura. O poder calórico (PC) do material queimado é que determina a temperatura da chama. As chamas azuis são as mais quentes e as amarelas são as mais frias.

Anúncios

Jack Reacher – O Último Tiro | Filme com Tom Cruise ganha featurette legendado

O escritor britânico Lee Child fala sobre sua criação

Marcelo Hessel – Omelete
.

A Paramount divulgou o primeiro featurette de Jack Reacher – O Último Tiro. No vídeo, que você vê em primeira mão legendado aqui no Omelete, o escritor britânico Lee Child fala sobre sua criação:

O roteiro é baseado no livro homônimo de Child, publicado por aqui com o título Um Tiro. O suspense policial é o nono volume da série centrada no militar veterano Jack Reacher, iniciada em 1997 com Killing Floor.

Jack Reacher (Tom Cruise) é um ex-militar que passou a viver como andarilho. Na trama do filme, ele está descansando em uma praia de Miami quando é chamado para resolver um caso mal explicado em Indiana, depois que um atirador é preso por alvejar cinco pessoas aleatoriamente. O criminoso chama-se James Barr e se recusa a dar qualquer informação, apenas murmura para seu advogado a frase: “Traga Jack Reacher para mim”. Quando Reacher chega à cidade, Barr já está desmemoriado depois de ser surrado pelos policiais. Reacher então precisa juntar todas as provas para descobrir o que o conecta àquele psicopata.

Werner Herzog interpreta o vilão. Rosamund PikeDavid OyelowoRichard Jenkins,Robert DuvallAlexia FastJai Courtney também estão no elenco.

O filme coloca Cruise novamente ao lado de Christopher McQuarrie, roteirista de Operação Valquíria que ganhou o Oscar de roteiro por Os Suspeitos (1995) e dirige agora seu segundo filme, depois de estrear com A Sangue Frio (The Way of the Gun, 2000).

Jack Reacher – O Último Tiro estreia em 21 de dezembro nos EUA e em 11 de janeiro no Brasil.

Leia mais sobre Jack Reacher.

Bactéria mortal desafia medicamentos nos EUA

Há pouca chance de que um medicamento eficaz para matar a bactéria será produzido nos próximos anos Foto: Getty Images

Há pouca chance de que um medicamento eficaz para matar a bactéria será produzido nos próximos anos
Foto: Getty Images


Um novo grupo de bactérias resistentes a antibióticos, conhecido como Carbapenem-Resistant Enterobacteriaceae (CRE), tem preocupado médicos nos Estados Unidos devido a capacidade de causar infecções ainda sem tratamento. As informações são do site USA Today.

Dias após um paciente de meia-idade chegar a University of Virginia Medical Center, especialistas notaram que as bactérias presentes em seu organismo tinham lutado até mesmo contra os remédios mais fortes, conhecidos como “drogas para a última instância”. “Foi muito preocupante, era a primeira vez que tinha visto esse tipo de resistência”, diz Amy Mathers, um dos especialistas do hospital.

O paciente morreu três meses depois, mas desde então vários novos casos surgiram e a bactéria continua a ser uma ameaça. Tanto que as taxas de mortalidade entre os pacientes com infecções CRE podem chegar a 40%.

No verão de 2012, dos EUA, a superbactéria ganhou as páginas dos jornais após relatarem casos no National Institutes of Health Clinical Center. Entre sete mortos, um adolescente de 16 anos.

De acordo com o site, foram diagnosticados vários casos em todo o país nos últimos anos – e eles aparecem normalmente com sintomas de pneumonia e infecções urinárias e intestinais. Ainda assim, o problema tem recebido pouca atenção até agora. “Levando em consideração os organismos resistentes às drogas, essa é a ameaça mais grave, o mais sério desafio que enfrentamos com a segurança de pacientes”, disse Arjun Srinivasan, diretor do Centro de Controle de Doenças e Prevenção (CDC).

Para avaliar o problema e o que está sendo feito para solucioná-la, o USA Today entrevistou autoridades de saúde e avaliou artigos, relatórios clínicos e dados estaduais e federais de saúde. Com isso, constaram que:

– Casos de pacientes com CRE já são endêmicos em grandes cidades dos EUA, incluindo Nova York, Los Angeles e Chicago, que têm centenas de casos confirmados.

– Não há dados nacionais confiáveis sobre a dimensão do problema. O CDC estimulou os Estados para acompanharem os casos, mas apenas algumas regiões seguem o pedido à risca.

– Há pouca chance de que um medicamento eficaz para matar a bactéria será produzido nos próximos anos. Os fabricantes não têm novos antibióticos em desenvolvimento, de acordo com as autoridades federais e especialistas da indústria, e há pouco incentivo financeiro.

– Muitos hospitais não têm a capacidade para identificar a CRE ou isolar pacientes portadores da bactéria.

Prevenção
Como o tratamento ainda não foi descoberto, especialistas apostam na prevenção em hospitais. “A realidade é que, (infecções CRE) são notavelmente difíceis de tratar e apresentam maus resultados”, disse Gary Roselle, diretor do Infectious Diseases Service for the Department of Veterans Affairs. “Eu estou supondo que isso vai piorar e provavelmente não terá novos antibióticos para ajudar em um futuro próximo, então o foco é a prevenção”.

Para isso, por enquanto, a orientação do CDC é manter uma limpeza rigorosa nas mãos, isolar pacientes infectados, cortar o uso de antibiótico para retardar o desenvolvimento de bactérias resistentes e limitar o uso de dispositivos invasivos, como catéteres, que oferecem um “caminho” para as bactérias entrarem no corpo.

Alemã nega que tenha tentado sufocar o ex com os seios

A alemã Franziska Hansen, de 33 anos, negou, em depoimento à polícia, que tenha tentado sufocar o ex-namorado Tim Schmidt, de 34, com os seios. Ela alegou que tudo fazia parte de um jogo sexual, segundo o jornal espanhol “ABC”.

Franziska Hansen negou que tenha tentado sufocar o ex com os seios. (Foto: Reprodução)
Franziska Hansen negou que tenha tentado sufocar o ex com os seios. (Foto: Reprodução)

O homem entrou com um processo contra a ex em Unna, na Alemanha, no qual acusa a ex de tentar sufocá-lo com seus “seios enormes” após o ato sexual.

Ele contou que, depois que eles fizeram sexo, a ex-namorada sentou sobre seu abdômen. “Eu beijei seus seios enormes. Mas, de repente, ela apertou minha cabeça com toda força. Eu não conseguia respirar, estava me sufocando”, disse ele.

“Pensei que fosse morrer”, acrescentou Tim, que, após conseguir se livrar, fugiu até o apartamento de um vizinho e chamou a polícia. Ele alegou que a ex havia dito que “queria torna sua morte o mais confortável possível”.

Sonda da Nasa indica que planeta Mercúrio tem água

Imagem mostra em amarelo os possíveis depósitos de gelo nas crateras com escuridão permanente, em Mercúrio. Foto: Nasa/Divulgação

Imagem mostra em amarelo os possíveis depósitos de gelo nas crateras com escuridão permanente, em Mercúrio
Foto: Nasa/Divulgação


Observações da sonda Messenger, lançada pela Nasa em 2004, indicam que o polo norte do planeta Mercúrio, o mais próximo do Sol, tem água – e em estado sólido. Observações anteriores já indicavam a presença da substância, mas a nova pesquisa dá resultados mais fortes nesse sentido. O estudo foi divulgado na revista especializada Science, da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS, na sigla em inglês).

Chama a atenção que um corpo com temperaturas muito superiores às da Terra consiga ter gelo, mas, segundo os cientistas, isso é explicado pela localização onde a substância foi encontrada. A rotação de Mercúrio é quase perpendicular a sua órbita, ou seja, no polo norte, o Sol seria visto sempre próximo do horizonte. Isso faz com que o interior das crateras da região nunca recebam radiação solar (e elas não recebem o calor do Sol há milhões, algumas há bilhões de anos) e tenham temperaturas muito baixas, comparáveis às das frias luas de Júpiter.

Observações anteriores, feitas com telescópios na Terra, indicavam a presença de depósitos de água quase pura em estado sólido. Baseado nesses dados, foram feitos modelos de temperatura do planeta que indicavam os locais onde haveria gelo na superfície e onde ele estaria pouco abaixo da superfície.

Se o gelo aparente existe, ele deve brilhar mais que o material ao seu redor. Contudo, o problema é a área ser de escuridão permanente. O que os cientistas fizeram foi usar a Messenger para mandar pulsos de laser em pontos na superfície do planeta e medir o reflexo do sinal que retornava. Foram feitas mais de 2 milhões de medições de reflexo, além de 4 milhões de medições topográficas do polo norte do planeta entre março de 2011 e abril de 2012. Os resultados indicaram diversas crateras que podem ter água em estado sólido, em especial uma chamada de cratera Prokofiev.

Em outro experimento, os cientistas usaram um espectrômetro de nêutrons, aparelho que consegue encontrar com precisão hidrogênio, principal constituinte da água. Este descobriu locais que combinam com depósitos de água presos a poucos centímetros abaixo da superfície. O material acima do gelo, afirmam os cientistas, é extremamente escuro e, pelo que sabemos do Sistema Solar, pode ser um material orgânico complexo, parecido com os encontrados em asteroides e cometas.

“Então, nós temos o espectrômetro de nêutrons, que indica que o material tem grande quantidade de hidrogênio que é consistente com água em gelo; temos o modelo térmico (…); e temos a reflexão que indica que de fato o gelo está presente apenas nas regiões mais frias”, diz ao podcast da Science Sean C. Solomon, do Instituto Carnegie e da Universidade de Columbia, ambos em Nova York, e um dos autores do estudo.

Sobre o material que cobre alguns dos depósitos de gelo, Solomon diz que sabemos apenas que ele é muito pouco reflexivo e está estável em baixa temperatura. “Se olharmos para o Sistema Solar, quais materiais têm pouco reflexo e são estáveis a apenas temperaturas muito baixas? A resposta é: ricos materiais orgânicos (…) que são comuns em cometas e asteroides. (…) A hipótese é que a água e o material escuro foram entregues pelos mesmos objetos, que impactaram em Mercúrio. Uma mistura de cometas e asteroides que são ricos em materiais orgânicos e voláteis, como água.”

Pegadinha do Silvio Santos é vídeo mais visto da semana no mundo

Pegadinha da menina fantasma no elevador ganhou destaque internacional. Foto: Reprodução

Pegadinha da menina fantasma no elevador ganhou destaque internacional
Foto: Reprodução


A pegadinha veiculada no Programa Silvio Santos, no SBT, no último domingo, se tornou o vídeo mais visto no YouTube mundialmente nesta semana. A câmera escondida da menina fantasma no elevador ganhou destaque internacional e virou um hit na internet. Uma das versões do vídeo, postada ainda no domingo, já tem mais de 10,7 milhões de visualizações no site. Outra, com título em inglês, tem mais de 13 milhões.

No ranking mensal do YouTube, o vídeo aparece na 12ª posição, superando hits como o discurso da vitória do presidente americano Barack Obama nas eleições dos Estados Unidos e outro em que chora ao agradecer os voluntários pela participação na campanha. A pegadinha brasileira aparece à frente também do vídeo do gol marcado por Zlatan Ibrahimovic na vitória da Suécia por 4 a 2 sobre a Inglaterra.

Na pegadinha, as vítimas entram em um elevador falso e são surpreendidas com um apagão durante uma pane. No período de total escuridão, uma menina maquiada como um fantasma entra por uma porta e, quando a luz volta a acender, assusta o passageiro.

Apesar do sucesso e da repercussão internacional, com sites como o Gawker classificando a brincadeira de “mais assustadora da história”, o vídeo não é uma unanimidade. O site The Sun se pergunta se a brincadeira não foi “longe demais”, enquanto o site Huffington Post classifica os participantes como “vítimas inocentes”.