Curiosidade do Dia

Quando a coruja canta?

 

As corujas, assim como as demais aves, cantam principalmente para marcar seu território.

De acordo com o biólogo Luís Fábio Silveira, especialista em aves, nem todas cantam à noite: ‘as espécies do gênero Glaucidium (caburés) podem se manifestar durante o dia, até mesmo nas horas mais quentes’, detalha.

Ele explica que, em geral, o canto destas aves é bastante variável, sendo difícil encontrar um padrão para todas as espécies: ‘algumas emitem um assovio melodioso, ao passo que outras têm vozes guturais’, explica o biólogo.

Anúncios

Superman – O Homem de Aço | Legendary Pictures divulga sinopse oficial

Filme estreia em junho de 2013

Natália Bridi – Omelete
.
..

superman

O filme de Superman de Zack SnyderSuperman – O Homem de Aço, ganhou uma nova sinopse oficial, divulgada hoje pela Legendary Pictures. Confira, abaixo, mas não espere muita novidade – MESMO! – é quase o mesmo texto de antes, com mudanças sutis, que nada fazem para suprir a expectativa dos fãs por mais novidades do filme:

“No panteão dos super-heróis, Superman é o mais reconhecido e reverenciado personagem de todos os tempos. Clark Kent/Kal-El (Henry Cavill) é um jornalista de vinte e tantos anos que se sente alienado por poderes além da sua imaginação. Transportado anos antes de Krypton, um planeta distante e muito mais avançado, para a Terra, Clark luta com a questão derradeira, ‘Por que estou aqui?’. Moldado pelos valores dos seus pais adotivos, Martha (Diane Lane) e Jonathan Kent (Kevin Costner), Clark descobre que ter habilidades extraordinárias significa tomar difíceis decisões. Quando o mundo precisa desesperadamente de estabilidade, uma ameaça ainda maior surge. Clark precisa se tornar o Homem de Aço, para proteger as pessoas que ama e brilhar como o guia para a esperança do mundo – o Superman”.

No elenco de Superman – O Homem de Aço também estão Amy Adams (Lois Lane)Michael Shannon (General Zod), Ayelet Zurer (Lara-El), Russell Crowe (Jor-El), Harry Lennix (General Swanwick), Lawrence Fishburne (Perry White), Richard Schiff (Doutor Hamilton) e Christopher Meloni, entre outros.

O filme estreia em 14 de junho de 2013.

Leia mais sobre Superman – O Homem de Aço.

Excesso de felicidade pode fazer mal, diz estudo

De acordo com estudo, muita alegria pode torná-lo ingênuo, egoísta e menos bem sucedido. Foto: Getty Images

De acordo com estudo, muita alegria pode torná-lo ingênuo, egoísta e menos bem sucedido
Foto: Getty Images


Quanto mais feliz você estiver, melhor, certo? Nem sempre. Um estudo publicado no jornal The Washington Post mostra que felicidade em excesso pode deixá-lo infeliz. Além disso, acredite, muita alegria pode torná-lo ingênuo, egoísta e menos bem sucedido.

Não há como negar que, além de prazerosa, a felicidade nos protege de acidente vascular cerebral e de resfriados, aumenta nosssa resistência à dor e prolonga nossas vidas. No entanto, June Gruber, professora de psicologia na Universidade de Yale que estuda a felicidade, explixa que é importante experimentar estados de espírito positivos com moderação.

“Os níveis muito elevados de sentimentos positivos geram consumo de álcool e drogas, compulsão alimentar e pode nos levar a negligenciar as ameaças”, afirma Gruber.

Carreira
De acordo com o psicólogo Edward Diener, famoso por sua pesquisa da felicidade, pessoas que não experimentam muita tristeza ou ansiedade raramente são insatisfeitas com seus empregos e, pos isso, não se sentem pressionadas para estudar mais ou mudar de carreira.

Diener analisou mais de 16 mil pessoas em todo o mundo e descobriu que aqueles que no início de suas vidas mostram maior grau de felicidade, apresentam menor rendimento do que aqueles que se sentiam tristes quando jovens.

Segundo o estudo, emoções negativas melhoram nosso jeito de lidar com o mundo. A raiva nos prepara para lutar, o medo nos ajuda a fugir e a tristeza nos deixa atentos aos detalhes e faz com que a gente pense de maneira sistemática.

Julgando sem analisar
Em outra pesquisa publicada na edição de dezembro de 2011 do European Journal of Social Psychology, Joe Forgas, professor de psicologia da Universidade de New South Wales, na Austrália, pediu para que os alunos lessem um ensaio filosófico de “Robin Taylor” e descobrissem quem era o autor. Alguns dos alunos receberam uma foto de um homem de meia idade com barba e outros de uma jovem mulher com uma camiseta.

Ainda que os ensaios fossem idênticos, os alunos mais felizes julgaram o trabalho do homem mais competente do que da mulher. Já os mais tristes, disseram que tanto o homem quanto a mulher poderiam ter escrito o texto.

Insatisfação
Criar expectativa pode gerar insatisfação. De acordo com uma pesquisa de Jonathan Schooler, professor de psicologia da Universidade da Califórnia em Santa Barbara, 83% de 475 pessoas entrevistadasficaram decepcionados com suas celebrações de Ano Novo de 2000.

Isso porque, as pessoas que planejaram a festa e criaram expectativa com os preparativos, se decepcionaram com o resultado. “É preciso ter um equilíbrio com as experiências. Há diferenças entre saborear um bom copo de vinho e ficar excessivamente preocupado se está se divertindo ou não”, diz Schooler.

Segundo a psicóloga Iris Mauss, se alguém procura a felicidade o tempo todo, provavelmente vai acabar se desapontando.

Professora é demitida nos EUA por não dar senha do Facebook a chefe

Uma professora de uma escola de Cassopolis, no estado de Michigan (EUA), foi demitida depois que se recusou a fornecer sua senha do Facebook para seu empregador, segundo a emissora de TV “ABC News”.

Kimberly Hester foi demitida por não fornecer senha do Facebook para chefe. (Foto: Reprodução)
Kimberly Hester foi demitida por não fornecer senha do Facebook para chefe. (Foto: Reprodução)

A polêmica aconteceu depois que Kimberly Hester publicou no ano passado uma foto que mostrava uma colega com a calça em torno dos tornozelos. Apenas a calça e os sapatos da colega de trabalho eram visíveis na foto.

Uma mulher, que era amiga de Kimberly no Facebook, informou o superintendente do distrito escolar. Por conta disso, o superintendente Robert Colby pediu que ela fornecesse sua senha do site para que ele pudesse ver a foto. Como se recusou, Kimberly acabou demitida.

Polêmica aconteceu após professora publicar foto de colega com a calça nos tornozelos. (Foto: Reprodução)
Polêmica aconteceu após professora publicar foto de colega com a calça nos tornozelos. (Foto: Reprodução)

Arqueologia na Grécia está ameaçada pela crise econômica

Visitante observa peças do Museu Arqueológico Nacional, em Atenas. Foto: AFP

Visitante observa peças do Museu Arqueológico Nacional, em Atenas
Foto: AFP


Roubos de antiguidades, escavações ilegais ou suspensas: a Grécia, asfixiada pela crise da dívida, encontra cada vez mais dificuldade para preservar e valorizar seu inestimável patrimônio arqueológico, hoje considerado um fardo a mais.

“Todas estas ruínas históricas da Grécia fazem parte, também, de nossa maldição,” desabafou uma arqueóloga grega que preferiu não ter o nome divulgado, por sentir que, com uma declaração dessa, trairia seu ofício, sua alma e seu país.

No entanto, com essa palavra – “maldição” -, resume as contradições enfrentadas hoje pela Grécia e seu passado: o patrimônio histórico é uma das principais atrações turísticas do país, e o Estado conta com ele para reativar a economia, mas não possui meios para valorizá-lo e mesmo protegê-lo. As escavações oficiais se veem paralisadas pela falta de verba e as ilegais se multiplicam pela ausência de segurança, denuncia a Associação de Arqueólogos Gregos.

“Encontramos cada vez mais escavações não registradas perto de sítios arqueológicos. Algumas são realizadas por semiprofissionais que sabem o que procuram, financiados pelas redes organizadas do tráfico de peças de arte. Outros, são desesperados que esperam descobrir um tesouro”, conta a presidente da Associação, Despina Koutsoumba, citando a descoberta de canteiros ilegais de obras num cemitério da época micênica em Dafni.

Só os terrenos trabalhados em cooperação com institutos arqueológicos estrangeiros sediados na Grécia perduram. E isso em meio a grandes acrobacias. “O Estado grego é obrigado a financiar um determinado percentual de escavações. Como não há nenhuma verba para isso no orçamento, o governo calcula o valor de cessão temporária de um hangar ou terreno, para driblar sua participação financeira”, explica.

A crise com seu pacote de medidas de austeridade atinge todo o setor, as atividades de pesquisa e de edição e as iniciativas pedagógicas para as crianças desapareceram dos museus. Os salários dos funcionários foram reduzidos a até 660 euros por mês. A crise afeta, também, os turistas. O museu arqueológico de Atenas ou o museu de arte bizantino de Salônica fecham regularmente suas salas às visitas, por falta de guardas.

“Se não estão abertos ao público, não são museus, mas entrepostos” lamentou Despina Koutsoumba, que fez recentemente, em Atenas, um apelo internacional à “resistência” contra os “golpes ditados pelo FMI”, a fim de evitar que esta crise se propague para outros locais na Europa – “o Coliseu, o Louvre, e os museus da Alemanha”.

Roubos de obras de arte
Desde o começo do ano, dois roubos espetaculares de obras de arte nos museus, aparentemente por parte de bandos organizados, abalaram a Grécia, atestando as falhas na proteção do patrimônio, conhecidas há muito tempo, mas agravadas pelos cortes no orçamento, devido à crise.

Cerca de 60 peças antigas, cujos vestígios remontam ao século X antes de nossa era, foram roubadas em fevereiro num museu de Olímpia, berço dos jogos Olímpicos. Em janeiro, três obras, entre elas um retrato de mulher doado por Picasso à Grécia e um Mondrian, foram roubados da Galeria Nacional.

“A pobreza e as más condições de vida estavam presentes nas décadas de 50 e 60, mas ninguém, na época, ousava roubar um museu”, disse o ministro da Cultura Pavlos Geroulanos, que pediu demissão logo após o roubo do Olímpia, recusada pelo primeiro-ministro Lucas Papademos.

Dos 106 museus arqueológicos e bizantinos, passando pelos 250 sítios organizados e 19 mil declarados com que conta a Grécia, apenas um punhado permanece ainda rigorosamente preservado: a Acrópole de Atenas, o monumento mais visitado da Grécia, com seu canteiro de restauração financiado pela União Europeia, e Knossos, o maior sítio arqueológico da Idade do Bronze na ilha grega de Creta, além de Delfos, Olímpia e Vergina, perto de Salônica, no norte.

Em todos os locais, a situação é difícil. Em Corinto, o local escavado pela escola arqueológica americana, fecha aos visitantes às 15h por falta de funcionários; e alguns museus do Dodecaneso, que significa “doze ilhas”, em grego antigo, na extremidade leste do Mar Egeu, vão ficar fechados até o mês de maio.

“Tenho medo que abandonem expressamente a cultura, para poder privatizar o setor mais livremente, como já aconteceu na Polônia, onde 2 mil companhias privadas escavam seu subsolo” disse um integrante da associação de arqueólogos.

Publicidade
Para melhorar sua situação financeira, a Grécia decidiu autorizar a exploração publicitária de suas antiguidades, a começar pela Acrópole, uma iniciativa que era, até o momento, considerada sacrílega pelos arqueólogos.

Esta decisão se inscreve numa série de disposições visando a “facilitar” o acesso ao patrimônio do país, e a assegurar melhor sua promoção, afirma o ministério. No momento em que o país, que entra no quinto ano consecutivo de recessão, tenta ativar a retomada econômica, a lentidão do governo, e particularmente os empecilhos dos arqueólogos, são muito criticados por empresários, que querem, por exemplo, que a obtenção de licenças para a construção, sejam mais rápidas.

“Se o governo tivesse mais funcionários, tudo iria mais rápido. Um projeto de construção, por exemplo, fica, às vezes, bloqueado durante seis meses até que os arqueólogos divulguem um estudo a respeito”, comenta Amalia Tsitouri, da associação de arqueólogos.

Em grandes cidades, como Atenas, se não tivessem feito pressão, os turistas não veriam mais nada, segundo ela, porque as construções seriam levantadas em todos os locais. “A construção civil é uma histeria no país. Os locais mais belos foram preservados graças à lei arqueológica que permitiu proteger uma parte do patrimônio natural”.

Cofundador da Apple aprova Ashton Kutcher para viver Steve Jobs

Ashton Kutcher será Steve Jobs no cinema; filme começa a ser rodado em maio. Foto: Reproducción de internet/Terra Chile

Ashton Kutcher será Steve Jobs no cinema; filme começa a ser rodado em maio
Foto: Reproducción de internet/Terra Chile


O cofundador da Apple, Steve Wozniak, está oficialmente apoiando o nome do ator Ashton Kutcher para viver, no cinema, o fundador e ex-CEO da Apple Steve Jobs. “Eu estou feliz que ele está no projeto”, declarou Wozniak ao site de notícias de celebridade TMZ.

“O medo que muitos tinham é que Ashton tivesse sido escolhido porque ele é ‘quente’ neste momento”, falou Wozniak. “Eu sinto que a seleção foi feita da maneira mais profissional possível. E eu estou feliz que ele está no projeto. Acho que ele vai trazer muito para o filme e que ele se preocupa com isso”, declarou.

Wozniak seguiu a entrevista lamentando a morte e Jobs e a falta que ele faz à Apple. “As opiniões e orientações dele para a equipe de produção e para elenco teriam sido de valor inestimável”, afirmou. E ainda falou sobre Kutcher: “Provavelmente há pouco que eu possa dizer além de expressar a minha crença de que será um filme ótimo e muito popular”.

O filme sobre a vida de Jobs é baseado no roteiro de Matt Whiteley e será dirigido por Joshua Michael Stern. Um outro projeto cinematográfico sobre Jobs, baseado na biografia escrita por Walter Isaacson, de 2011, está sendo desenvolvido nos estúdios Sony Pictures.